Artigos bases Colunas sociedade

INTRODUÇÃO AO LOCALISMO: COMO ALCANÇAR UMA SOCIEDADE LIBERTÁRIA?

Achei necessária uma breve explanação teórica do localismo, visto que alguns libertários já se identificaram com a posição devido a breves comentários, mas não possuem conteúdo para que possam se apoiar para criticar ou mesmo se identificar com as propostas e se firmar como localista.

O localismo será melhor explanado no livro que está sendo escrito por mim (Botti), Fhoer, Randall e Paulo Garcia. Ainda não há previsões da data de conclusão. No entanto, o objetivo desse artigo é justamente suprir essa ausência de conteúdo.

É de suma importância compreender que o localismo não tem como proposta a ideia de substituir o libertarianismo, mas sim uma estrutura referencial para guiar as ações alinhadas com a ética libertária dentro de uma via pela qual o objetivo, uma sociedade libertária, possa ser alcançado.

O localismo terá como base a localiologia, ciência que estuda o localis, assim como Mises utiliza a praxeologia como base do estudo da cataláxia.

Não apresentarei aqui as bases epistemológicas do localismo, a fim de manter a uma breve e didática explanação. Essas bases serão tratadas com cautela no livro.

A LOCALIOLOGIA

Decidimos usar o termo “localis”, ao invés do termo usado anteriormente “local”, para que não haja a confusão de eventualmente atribuir à essa palavra qualquer conceito de local geográfico/físico.

Denomina-se localis à estrutura transcendental da interação humana, um modelo mental de juízos do indivíduo pelo qual trata da nossa compreensão da realidade, interação social e cultura.

Somente indivíduos possuem localis. O localis pode ser mais conectado, ou seja, possuindo mais interações e percepções, ou pode ser mais atomizado, possuindo menos interações e percepções. É importante elucidar que toda interação de outro indivíduo no localis é indireta e dependente do receptor. Exemplo:

Thiago sabe que João não gosta dele por tê-lo tratado de maneira desrespeitosa no passado e, por meio das suas ações – principalmente a maneira que ele o trata –, Thiago tenta mudar a estrutura de juízos que João tem dele. Note que claramente a mudança das ações de Thiago é o primeiro passo para a mudança de como João o percebe, mas a alteração desses juízos só será possível por parte do receptor (João).

Nota-se que João não pode conhecer como Thiago é em si, apenas o conhece pelas interações que tem com ele que podem ser divididas em ativas ou passivas. Ativas são aquelas interações que um indivíduo interage diretamente com o outro e passivas são aquelas interações que um indivíduo apenas observa as ações e comportamentos do outro, sendo uma interação indireta.

Disso podemos concluir que a estrutura particular de cada localis é incognoscível, podendo ser induzida no localis do observador, enquanto a estrutura particular própria é tácita [1], de forma que é impossível descrever todos os juízos que possuímos sobre a realidade e nossas interações sociais. Esse aglomerado de juízos, que podem ser mais convergentes ou divergentes com a real natureza das coisas, não necessariamente sendo verdadeiros, mas fundamenta o que seria verossímil, e vêm a se expressar de maneira tácita durante uma interação, guiando a maneira com que vamos agir baseado em interações passadas que formaram conhecimentos tácitos sobre certo tipo de pessoa, grupo, ou costume.

O LOCALISMO

O localismo é uma metodologia para a análise de relações sociais partindo do indivíduo, buscando alinhar as condutas dos libertários para a formação de uma sociedade libertária. Em virtude de tal sociedade ser provavelmente a primeira expressão real de uma civilização humana, na qual a iniciação de violência institucionalizada a inocentes não é tolerada culturalmente, sendo esta é a exibição moderna da barbárie que nos assola.

Para buscar a via correta para acabar com o estado e com todo tipo de agressão institucionalizada, é necessário entender como estas agressões são toleradas e até vistas como necessárias por algumas pessoas. Como já escreveu Murray N. Rothbard, apesar do modus operandi do estado ser a força, ele se perpetua através de propaganda ideológica, uma vez que a minoria exerce poder através da força, para continuar espoliando a sociedade em questão, eles precisam de “legitimação” para eternizar seu poder, assim oferece um nicho seguro a intelectuais que, em troca dessa situação de conforto econômico e visibilidade, fazem propaganda ideológica dos governantes, assim estabelecendo um conluio e se mantendo no poder. O localismo ataca justamente a principal arma do estado, a sua capacidade de ofuscar a sua real natureza, revolucionando culturalmente uma sociedade e evitando a pseudo legitimação do vínculo hegemônico estabelecido pelo estado de forma que a mudança venha a ser compatível com a sociedade em que ela se instala.

Somente pelo motor cultural que as mudanças institucionais podem ser alcançadas. A situação atual é a existência da demanda para arcabouços institucionais capazes de suprir as demandas da população, porém, por terem ideais respaldados no estatismo, essas demandas são direcionadas para o meio político como um modo para resolvê-los, ou quando, esporadicamente, a demanda por vínculos contratuais surge, os ofertantes são impedidos por outros que utilizam destas estruturas espoliativas para impedi-los de ofertar a solução. Qualquer foco político acaba reformando o arranjo estatal para melhor ser despercebido como o amplificador do problema, assim adquirindo o maior respaldo ideológico por este mesmo motivo.

O ponto central do localismo é entender que a cultura não é algo que possa ser moldado da forma que um oleiro que molda a argila, como preconiza a vertente “justificacionista” em relação ao conhecimento. Tampouco seríamos ingênuos a ponto de defender uma posição que corrobore com o construtivismo, crendo dogmaticamente na capacidade da mente humana de criar um sistema cultural por um planejamento central. A cultura emerge das nossas interações sociais, ao passo que também emergem normas tácitas culturais advindas dos juízos feitos de interações passadas.

Tendo em vista que que a cultura só pode ser mudada pelas nossas interações sociais, chegamos aos pontos que irei explorar: a ação do libertário e a impressão que ele causa nas pessoas.

Denomino normas tácitas culturais às regras de conduta que não são expressas objetivamente como uma norma legal – na medida em que são tácitas – não havendo punição a quem quebrá-las, e que variam de cultura para cultura – na medida em que são culturais.

As pessoas que seguem essas normas tácitas, quando interagem com outras pessoas que as sigam, são mais bem aceitas e respeitadas do que as que não seguem. Tome como exemplo um sujeito libertário que não toma banho, coma com as mãos, e regularmente passa as mãos nos órgãos íntimos do corpo em público. Ora, certamente ele não será punido legalmente, mas suas ações em desacordo com as normas morais daquela cultura certamente afetará suas interações sociais e a forma que as pessoas o enxergam. Todos os seus ideais, mesmo não possuindo relação direta com seus costumes, são atrelados à ele. Se, por um acaso, uma pessoa interagiu com vários libertários e os mais destacados agiram como o sujeito supracitado, os juízos dessa pessoa sobre o libertarianismo poderá estar vinculado a essas idiossincrasias e podem causar um certo bloqueio para com a ideia, mesmo que tal juízo não seja convergente com a realidade do que é o libertarianismo de modo geral.

É evidente que meu foco aqui não é lecionar etiqueta e bons modos, mas essa analogia é de suma importância para o entendimento de que libertários apresentam-se em suas relações interpessoais, de forma que venham a vincular valores positivos a ideia, de modo que essa venha a ser atrativa aos observadores.

LOCALISMO E POLÍTICA

A forma que um libertário defende seus princípios, e também a forma como age e transmite informações. Por isso, ao defender um posicionamento no âmbito político, é necessário dar ênfase ao nosso posicionamento basilar da ética. Criticar o estado e suas burocracias, dando a entender que é necessário melhorá-lo ao invés de extingui-lo, bem como todo seu aparato coercitivo, não é só um evidente caso de ativismo inútil [2] como também é contraproducente. Ora, um libertário protestar contra uma reforma das estruturas do estado, não só demonstra complacência com a ideia de um monopólio da justiça como transmite a ideia de que há um estado ideal para eles, mesmo que esse não seja o objetivo do agente. Haja vista que nesse cenário não há diminuição do imposto, e também não há o fim de nenhuma agressão já pré-existente, é necessário uma postura intransigente para com o aparato compulsório estatal.

CONTRA O FUSIONISMO E O GRADUALISMO [3]

A postura localista é vocal contra o fusionismo e o gradualismo, vertentes que possuem suas diferenças particulares, mas possuem o mesmo problema enraizado: o pragmatismo.

Essas duas posições, em linhas gerais, são condescendentes com as visões distorcidas de defesa da propriedade privada, alegando que o objetivo de um panorama político menos estatizado é o suficiente para nos unirmos com liberais e outros “defensores da liberdade”, desvencilhando-se dos princípios libertários. A alta preferência temporal em relação aos resultados a curto prazo, culmina em um desmoronamento da única posição que pode nos livrar de fato das garras estatais – o libertarianismo –. Esse erro estratégico crasso oferece uma alternativa mais palatável e menos radical ao público, desviando-se do foco que deveria ser a disrupção da janela de Overton voltada para o estatismo, defendida pelo o meio mainstream acadêmico e intelectual que tanto negligencia as intervenções binárias citadas por Murray Rothbard na parte final de seu Magnus Opus – Man, Economy, and State – Governo e Mercado [4].

No longo prazo, considerando o cenário hipotético susodito, ao chegar em uma considerável diminuição do estado, os liberais que anteriormente seriam companheiros de batalha, passam a ser nossos maiores inimigos com a defesa ferrenha da necessidade de um monopólio coercitivo da força e dos serviços legais. Com isso, as ideias anti-estatistas que deveriam estar em voga seriam sufocadas pela legitimação anterior que foi dada aos movimentos menos estatistas.

O PROBLEMA COM O PURISMO

O purismo, de maneira geral, é a vertente do libertarianismo que defende e aplica a ética sem nenhum tipo de concessão. A partir desta definição, o purismo reconhece o meio político como totalmente antiético, até mesmo o voto – em políticos – para defesa das agressões políticas em ascensão.

Analisando com maior cuidado, pela definição de purista e a definição de libertário, é perceptível que denominar-se libertário purista não passa de um pleonasmo. O libertário é aquele que defende a ética de propriedade privada, não pela sua utilidade, mas por ser a única ética correta, justa e válida, e universalmente aplicável, sendo assim, o purista, mesmo que inadvertidamente, não está “saindo do lugar” [5].

O purismo acerta em perceber que os posicionamentos gradualistas e fusionistas devem ser reprovados, mas falha em não reconhecer soluções válidas para a questão estatal.

Alguns puristas ainda propõe que, com o avanço da tecnologia, teremos poder o suficiente para nos livrarmos do estado, mas não há bala de prata contra esse monopólio ilegítimo, pois o mercado sempre está à frente do estado em questões tecnológicas e nem por isso o estado caiu por esse fator. Da mesma forma que as pessoas usam a tecnologia para se defender do estado, o próprio estado pode utilizar de tecnologias para atacar a população. A nossa principal defesa é suprir a demanda das pessoas por instituições que utilizam recurso em virtude de relações contratuais de forma a acabar com a pseudo legitimidade dos vínculos hegemônicos do estado por comparação.[6]

NOTAS:

[1]: SOTO, Jesús Huerta de. A Escola Austríaca, São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2010, p.35.

[2]: FHOER. https://gazetalibertaria.news/2018/11/11/pragmatismo-libertario-e-o-ativismo-inutil/

[3]: Defino gradualismo como a vertente libertária que entende o meio político como a principal via contra o estado. Denomino fusionismo à união de liberais e outros estatistas para alcançar pautas em comum no curto prazo.

[4]: ROTHBARD, Murray Newton. Governo e Mercado, São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil p.32.

[5]: SCHEFFEL, Vinícius. https://gazetalibertaria.news/2018/12/04/libertarianismo-e-anarcocapitalismo-por-vinicius-scheffel/

[6]:  FHOER.

4 comentários

  1. Esse texto teve algum tipo de revisão? Me deparei com vários erros de ortografia e falta de coesão textual em algumas frases.

    Talvez uma sugestão para o autor é escrever mais frases, i.e., quebrar as frases longas e dar preferência a frases mais curtas. Isso ajuda a fluidez do texto.

    1. Está duro mesmo. Já é o segundo texto que eu leio do site e o outro foi a mesma coisa. Precisam de um editor urgente, ou o localis dos não libertários que passarem por aqui vai ficar prejudicado. A propósito, o conteúdo do site é ótimo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s