Colunas Notícias sociedade

League of Social Justice: LoL e justiceiros sociais

     
No League of Legends (LoL), cada equipe pode banir (proibir de serem escolhidos) cinco personagens. Na estréia do time russo Vaevictis, a equipe adversária, RoX, causou polêmica ao banir cinco suportes. Porém, existe uma piada sobre mulheres jogadoras de LoL só escolherem suportes, e tal piada é apenas reforçada pela tendência entre jogadoras, principalmente de elo mais alto, jogarem melhor, ou pelo menos com mais frequência, nesta posição à em outras. Até mesmo alguns dos personagens do jogo são feitos pensando nisso. Por conta do fato relatado, a equipe RoX foi acusada de machismo ao reforçar uma “piada tóxica” da comunidade de League of Legends.

     Ademais, gostaria de relevar como os jogadores profissionais de LoL vivem se ofendendo e fazendo piadas entre si com a seguinte lista:

  • Faker escolheu Olaf na rota do meio (personagem fora de sua função) no campeonato mundial por estar jogando contra adversário fraco.
  • Yoda tomou punição por tuitar “Pastel de flango” para Faker, um jogador coreano
  • Mylon tomou duas punições por insultos a outros adversários
  • Após Kami fazer uma partida ruim com um personagem (Katarina), Yoda pegou esta personagem no jogo em seguida contra Kami. Também, durante os dois jogos, Yoda e sua equipe ficaram gritando zoações com “Kami, você não sabe jogar de Katarina” ou “Não sabe jogar, não picka
  • Entre centenas de outras situações

     Nas citadas ocasiões (mesmo nos casos onde houve punição aplicada pela Riot Games), a comunidade, em maioria, demonstrou até mesmo apoio a essas atitudes e isso se transformou em um meme que existe até hoje.

FACTS

     Ponto curioso: a equipe feminina (primeira equipe composta principalmente por integrantes femininas), além de não ter se classificado para a liga principal com essa escalação, tem em seu time quatro integrantes cuja principal lane nas filas ranqueadas é de suporte e, aparentemente, só nessa posição jogam no nível de seus respectivos elos. Sobre os elos, o delas está consideravelmente abaixo quanto à elos comumente vistos em jogadores de liga profissional. Portanto, não é surpreendente estranharem ou fazerem piadas com um time deveras fora dos padrões de competitividade esperados em uma competição de alto nível.

     Temos, na maioria dos esportes, lances e técnicas que são para enfeitar ou zombar de seu adversário, seja para desestabilizar o emocional do adversário (que também faz parte da competição, tanto é que os times geralmente têm acompanhamentos psicológicos) ou para animar o público. Já tivemos também, em outros esportes, casos em que jogadores foram penalizados por fintas e dribles, como o caso em que o jogador de futebol Neymar foi criticado por dar uma lambreta em um adversário. No caso da RoX, as próprias garotas não ficaram bravas, pelo contrário, estavam rindo.

LOGIC

     No caso da RoX, existe uma suposição de o motivo pelo qual baniram os suportes foi por estarem contra um time feminino, ou muito fraco, não havendo por que se preocupar. Contudo, isso não passa de mera especulação, por ser impossível determinar com certeza apodítica certos juízos de valores sobre ações de outros indivíduos, como diria Mises com a praxeologia (estudo da ação humana). O suposto julgamento de valor foi colocado nos jogadores por quem os acompanha, seja ele provável ou não, isso se mantém inalterado. Um julgamento feito pelo que se especula ser o juízo de outro indivíduo é meramente arbitrário e especulativo. Este é um dos motivos de a ética libertária se basear nas ações de indivíduos e não em suas intenções, as quais não podem ser de fato conhecidas, apenas especuladas.

Análise da estratégia

     Em uma partida de LoL, uma estratégia que se demonstra muito eficiente é focar em um jogador que pode trazer maior dificuldade. Com isto, é comum vermos bans focados em um único personagem (como o caso do atirador Rekkles). No jogo da RoX conta Vaevictis, todas as jogadoras tinham suporte como sua melhor role, e apenas uma jogadora poderia jogar nessa posição. Supostamente esta estaria jogando em sua posição mais confortável. Enquanto as outras jogadoras estariam em posições não tão confortáveis, e estariam jogando em um nível abaixo do que costumam jogar (lembrando, o nível do time já é muito inferior do que de outros times do campeonato). Assim, pode-se considerar que a jogadora a qual traria mais perigo para a equipe seria a suporte. Com isso, os três primeiros banimentos foram direcionados a suportes com os quais a jogadora costumava jogar (o que foi um sinal de uma possível estratégia e estudo do adversário). Em seguida, o time das garotas escolheu o atirador Lucian, logo, a equipe adversária focou-se banir em suportes com afinidade ao personagem escolhido, portanto, baniram Braum e Thresh. Com isso, o time demonstrou ter seguido uma estratégia nos banimentos, além de a estratégia poder ter afetado psicologicamente a equipe adversária.

Conclusão

     Afetar psicologicamente seus adversários é uma técnica frequentemente aplicada em qualquer disputa. No caso do LoL, já foi utilizada diversas vezes, até mesmo mais explicitamente, com a comunidade sempre tomando-a como válida, fazendo até hoje memes e referências a casos semelhantes.

2 comentários

  1. Lembrando que as 5 jogadoras eram diamantes, então já eram bem abaixo do nível do campeonato que abrigam pessoas MELHORES que Desafiante, que são os top ranking do server.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s